domingo, 23 de novembro de 2008

so quero um lençol



O absurdo duto do verbo
canaleta por onde escoam águas,
fezes, frustações e palavras
a um forte golpe de sol
seca o fluxo, racha o cimento
ai cai a tempestade do texto
tudo vira nada,quando tange o entendimento


O álito roça o dente, o dente roça o pêlo,
O pêlo roça a pele, a pele roça o corpo,
O corpo roça a alma e a alma roça o mundo
E esse negócio de alma na alma é profundo
É o "tete no tete"...
Debaixo da Lua, da noite, do Sol, da manhã, da bomba
Nuclear
Eu só quero um amor e um lençol...
O mundo pode acabar!
(...)

6 comentários:

Camilla Tebet disse...

Uma boa razão pra querer um amor e um lençol.. o mundo pode mesmo acabar.
adorei o text.

Desarranjo Sintético disse...

Bah, pior!
Nesses horas em aconchego sempre é bem-vindo!
E a melhor solução!

Abraços.
Fábio.

Juliana David disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Juliana David disse...

Israel,

Não fixe seus pensamentos em ter alguém. Sei que as vezes é difícil. A vida é assim cheia de frustrações, decepções. Não diga que você é alguém que ninguém percebe e que não tem valor. Se isso te ajuda, você é lindo!!! Deixe transparecer o que você é também no mundo lá fora, pois você aqui é lindo!!! Ter alguém no lençol é sempre muito bom, mas manter esse mesmo alguém neste mesmo lençol é que é mais complicado. Mas é uma coisa que não depende só de você, depende do outro também. Pense no que eu escrevi uma vez no meu Blog.
"Ninguém tira o seu valor, só você mesmo."

Beijos e tenha uma ótima semna.

Sua amiga blogueira
Juliana

Ellen Fernandes disse...

Nossa amei...é um lençol vai bem...As vezes traduzimos coisas que nem imaginamos que somos capaz...seu texto estão nessa linha...muito bons mesmo!!


OBs.: te linkei

Iza. disse...

noite fria né querido?

uns com toalhas outros com lençois.

sinto falta do coletivo que eramos.
não o BCO mas nós, erámos um coletivo.

beijo