domingo, 13 de abril de 2008

nao adianta

Não adianta,
Não adianta nada ver a banda,
Tocando “A Banda” em frente da varanda,
Não adianta o mar,
E nem a sua dor.

Não adianta,
Não adianta o bonde, a esperança,
E nem voltar um dia a ser criança,
O sonho acabou,
E o que adiantou?

Não tenho pressa,
Mas tenho um preço,
E todos tem um preço,
E tenho um canto,
Um velho endereço.


O que importa,
É que já não me importa, o que importa,
É que ninguém bateu em minha porta,
É que ninguém morreu,
ninguém morreu por ti.

Não quero nada,
Não deixo nada, que não tenho nada,
Só tenho o que me falta e o que me basta,
No mais é ficar só,
Eu quero ficar só.

Não adianta,
Não adianta, que não adianta,
Não é preciso, que não é preciso,
Então pra que chorar?
Então pra que chorar?
Quem está no fogo, está pra se queimar,
Então pra que chorar?

4 comentários:

Vivi Floripi disse...

muito bom poema...
me lembrou Lisbon Revisited d 23 e d 26 juntos.

e é a verdade não é verdade.
todos estamos aqui pra queimar. então pra q chorar ?!?

Niaranjan disse...

do caralho!!!

Niaranjan disse...

do caralho!!!

Limbonauta disse...

Adianta sim. Adiante adiantará. Você vai ver.

BCO rox!

Bons Ventos.